Revolução dos Cravos – O Dia da Liberdade

Com fogos de artifício e muita música, Portugal comemora hoje, 25 de Abril, a Revolução dos Cravos.

Mas afinal o que aconteceu ?

No dia 25 de Abril de 1974, Portugal se deparou com a sua maior revolução. Depois de 48 anos de ditadura, o dia em que o País voltou a ser uma democracia!

Militares do MFA ocuparam os estúdios do Rádio Clube Português e explicaram aos portugueses que pretendiam que o país fosse uma democracia, com eleições e liberdade e colocavam ao ar, músicas como Grândola Vila Morena, de José Afonso, o qual a ditadura não apoiava.

“Grândola, Vila Morena” é a canção composta e cantada por Zeca Afonso que foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre as pessoas de Grândola, no Alentejo, e teria sido banida pelo regime salazarista como uma música do partido comunista de Moscovo Comunismo. Às zero horas e vinte minutos do dia 25 de abril de 1974, a canção era transmitida na Rádio Renascença, a emissora católica portuguesa, como sinal para confirmar o início da revolução. Por esse motivo, transformou-se em símbolo da revolução, assim como do início da democracia em Portugal. À meia-noite e vinte minutos da madrugada do dia 25 de abril de 1974, a «Grândola, vila morena» foi tocada no programa Limite da Rádio Renascença. Era a segunda senha que confirmava o bom andamento das operações e despoletava o avanço das forças organizadas pelo MFA.” Fonte: Wikipedia

No mesmo tempo que a música era tocada, militares com tanques comandados pelo capitão Salgueiro Maia, saiu de Santarém, da Escola de Cavalaria, com rumo a Lisboa. E lá, posicionou-se junto dos ministérios e cercou o quartel da GNR do Carmo, onde estava refugiado Marcelo Caetano, sucessor de Salazar à frente da ditadura.

No decorrer do dia, o que era um golpe de Estado, transformou-se numa real revolução, e nessa altura, uma vendedora de flores começou a distribuir os famosos cravos que marcam essa data.

Os cravos eram colocados pelos soldados no cano da espingarda e os civis a punham no peito. A Revolução dos Cravos não teve um ferido, ninguém morreu nesse ato.

As principais mudanças

Antes

  • Não havia liberdade;
  • Todas as notícias eram aprovadas pelo Serviço de Censura;
  • Não haviam eleições;
  • Só podia votar no partido do governo;
  • Mulheres só podiam votar se tivessem concluído o curso secundário;
  • Se falasse mal do governo, era preso;
  • O patrão pagava o que quisesse ao trabalhador;
  • Não havia divórcio para pessoas casadas na igreja;
  • Nenhuma mulher podia viajar sozinha para o exterior sem autorização escrita do marido.

Depois

  • Passou a haver liberdade de expressão;
  • Imprensa livre;
  • Eleições livres;
  • Não existia mais polícia política;
  • Vários partidos políticos;
  • Todos podiam votar;
  • Os patrões já não pagavam o que queria, passou a existir o salário mínimo;
  • Homens e mulheres passaram a ter os mesmos direitos;
  • Divórcio permitido.

 

Liberdade, Democracia e Cidadania.
25 de Abril, sempre!

 

😉 Gostaria de nos acrescentar alguma informação ou nos alertar quanto a algum possível erro?

Envie um e-mail a contato@o-tuga.com

Imagem via Pixabay


Sugestão de Vídeo relacionado ao nosso Canal no Youtube

Loraine Eira
Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!

Comentários

comentários

Loraine Eira

Loraine Eira

Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!