Dicas para alugar um imóvel em Portugal

 

E você, já ouviu falar na denominação “T” para um imóvel? Mobilado? Arrendamento?

Quando eu vim morar em Portugal, consegui inicialmente um emprego em Montijo – Distrito de Setúbal. É uma cidade pequena e com bom acesso para Lisboa através da ponte Vasco da Gama.

A busca para um imóvel não foi nada fácil. Montijo possui apartamentos novos e bonitos, mas também muitos imóveis antigos e abandonados pela cidade.

Depois de muitas pesquisas, esses são os principais sites:

Vale mencionar que, o Erasmusu e Uniplaces.com também são muito procurados para estudantes que querem alugar quarto.

Depois de tanto procurar nesses sites, ficamos super preocupados, pois nada parecia de muito agrado e perto do local aonde nós trabalhávamos.

Foi ai que um casal de amigos achou um apartamento ótimo, mostrou para nós e nos chamou para dividi-lo. Inclusive, na Europa é muito mais comum dividir apartamento do que no Brasil. Enfim, o apartamento era super espaçoso e lindo! Aceitamos na hora!

Depois, com calma, fomos olhar a descrição do apartamento:

“Apartamento Centro de Montijo

Apartamento T3 usado, mobilado, em excelente estado, com elevador, garagem, arquitetura moderna.

Localizado na Urbanização Janelas do Parque, próximo do Parque da cidade, ciclovia, escolas, serviços e comércio.

Bons acessos à circular, A33 e Ponte Vasco da Gama.”

 

Ok, mas o que significa “T3”?

Não sabíamos se seria um termo para terrenos, metro quadrado… ficamos perdidos!

Assim, um português que estava trabalhando conosco explicou a denominação:

Apartamento T0: Apartamento sem quarto, normalmente chamado de estúdio onde o quarto seria a própria sala.

Apartamento T1: Apartamento com um quarto

Apartamento T2: Apartamento com dois quartos

E assim por diante…

 

E agora, “mobilado”?

Aqui um apartamento mobiliado se chama “mobilado”. Confesso que no começo achei que a pessoa que estava oferecendo o apartamento estava falando de forma errada, mas não! O erro se repetia em toda visita que fazíamos. Logo entendemos que era apenas uma diferença da nossa língua portuguesa.

Mas fiquem atentos! A mobília deve ser conferida, pois nem sempre ela é completa como nos anúncios que estão disponíveis na internet.

 

Enfim, vamos assinar o contrato!

Senhorio é o nome que se dá ao dono do imóvel em Portugal.

Se o senhorio não estiver com o imóvel anunciado em uma imobiliária, ele com certeza preparará uma minuta de Contrato de Arrendamento para que você assine.

Deverão ser 3 vias de contrato. Uma fica com o inquilino, um com o senhorio e outra para as finanças.

Alguns dos termos muito vistos por aqui:

– A senhoria pode comunicar à inquilina, com 60 dias de antecedência sobre o fim do prazo do contrato ou da renovação em curso, através de carta registada com aviso de recepção.

– Após seis meses de vigência do contrato, a inquilina pode comunicar à senhoria, com a antecipação mínima de 60 dias sobre o termo pretendido do contrato.

– O fiador será sempre o responsável por todas as obrigações da inquilina previstas na lei e no contrato.

– A senhoria poderá fazer quaisquer obras em benefício do local arrendado, ainda que se trate de mera conservação ou reparação, sem necessidade de autorização da inquilina para vistoria ou acesso ao mesmo, pessoalmente ou por mandatários seus.

 

Documentos à serem comprovados

Para maior segurança, normalmente o senhorio prepara o contrato de arrendamento com a cópia dos documentos citados abaixo (tanto para o inquilino quanto fiador):

– Comprovante de rendimento (tivemos que comprovar as 3 últimas rendas);

– Contribuinte;

– BI ou autorização de residência ou cópia do passaporte.

 

Valores à serem desembolsados

Normalmente o inquilino deve pagar um caução (que será restituído no final do contrato caso não existam danos no apartamento), a primeira renda do imóvel mais uma renda adiantada. Assim, caso o inquilino resolva sair do dia para noite, o senhorio já possui uma renda em mãos.

Lembro que, em muitos casos, se o inquilino sair do imóvel em menos de 1 ano, o mesmo perde o direito à restituição do caução. Com isso, fiquem atentos as cláusulas do contrato para não contar com um dinheiro que não terá de volta.

 

Custo da renda

Isso é muito relativo ao local que você quer morar.

Enquanto morávamos em Montijo, chegamos a pagar num apartamento de 3 dormitórios, sala, cozinha, lareira, 2 varandas, o valor total de 450 euros na Margem Sul.

Agora em Lisboa, num apartamento menor, no centro, pagamos 500 euros. Portanto, quanto mais longe do centro, mais em conta.

Leve isso em consideração na hora do seu planejamento e pesquise bastante entre os sites que citamos acima. Com certeza você encontrará a melhor opção e custo x benefício.

Enfim, essas foram as etapas que tivemos que passar para arrendar aqui em Portugal.

 

Boa sorte caso você esteja buscando um imóvel!

Até mais!

😉

Gostaria de nos acrescentar alguma informação ou nos alertar quanto a algum possível erro?

Envie um e-mail a contato@o-tuga.com

Loraine Eira
Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!

Comentários

comentários

Loraine Eira

Loraine Eira

Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!