Museu Nacional de Arqueologia (MNA) – Lisboa, Portugal

 

O Museu Nacional de Arqueologia (MNA), tem coleções muito vastas e foi concebido pelo seu fundador, José Leite de Vasconcelos, como um “Museu do Homem Português” que “procura reunir elementos materiais que concorram para o conhecimento total da vida do homem… tudo o que defina caracteristicamente o nosso povo”.

Ao longo da sua história, o MNA acumulou um notável acervo, distribuído por núcleos muito diversificados: arqueologia, etnografia, ourivesaria, numismática e medalhística, epigrafia pré-latina e latina, escultura, documentação escrita, mosaicos, antropologia física, etc., núcleos a que se acrescentam as notáveis «coleções comparativas» estrangeiras, arqueológicas e etnográficas, (com destaque particular para as do Antigo Egipto e da Casa Real portuguesa), e diversos legados e doações.

 

Museu Nacional de Arqueologia

 

A parte principal do seu acervo é, no entanto, constituída por vastíssimas coleções de Arqueologia portuguesa dos períodos pré e proto-histórico, romano, árabe e medieval.

 

Breve Historial do Museu

O Museu Nacional de Arqueologia foi fundado em 1893, sob a designação de ‘Museu Ethnográfico Português’, sendo nomeado seu diretor o Doutor José Leite de Vasconcelos. As primeiras instalações situavam-se na Academia da Ciências de Lisboa e está instalado desde 1903 no antigo dormitório do Mosteiro dos Jerónimos, tendo sido aberto ao público em 22 de Abril de 1906. Começado a construir no início do século XVI (1501), o Mosteiro representa o próprio paradigma do estilo Manuelino, tendo sido declarado Património mundial em 1983.

Museu Nacional de Arqueologia

Em 1929, o museu passou a ser dirigido por Manuel Heleno iniciando-se um segundo ciclo na vida da instituição, marcado por campanhas de intensas escavações arqueológicas entre 1930 e 1960 o que veio a aumentar grandemente as suas reservas, tornando-se a principal instituição museológica e arqueológica nacional e uma das principais no âmbito europeu.

 

Serviços Disponibilizados ao Público

Acolhimento

Loja

 

Exposições permanentes

Tesouros da Arqueologia Portuguesa – A coleção de ourivesaria arcaica é constituída por 1500 peças das quais 600 se encontram expostas e que foram fruto de aquisições e recolhas avulsas, o que explica a ausência de informações acerca dos contextos arqueológicos. Da coleção de joalharia antiga destaca-se um conjunto de ourivesaria pré-romana, um dos mais importantes em toda a Europa. Este conjunto contribui decisivamente para que o MNA seja o museu nacional com o maior número de bens classificados como “Bens de Interesse Nacional”.

 

Museu Nacional de Arqueologia

 

Antiguidades Egípcias – Esta coleção é constituída por mais de 500 peças das quais cerca de 300 se encontram expostas. O acervo é o maior de Portugal, tendo sido reunido pelo Doutor Leite de Vasconcelos e pela família real, tendo sido também significativas as doações da família Palmela, Bustorff Silva e Barros e Sá. As peças expostas encontram-se distribuídas de acordo com um critério temático-cronológico desde a Pré-História à Época Copta, abrangendo um período de mais de 5000 anos.

 

Exposição de longa duração

Religiões da Lusitânia. Loquuntur Saxa – Retomando um tema e uma perspetiva de estudo muito cara ao Dr. José de Leite Vasconcelos, o Museu de Arqueologia apresenta na galeria nascente esta exposição que convida a conhecer duas tradições religiosas, Hispania Aeterna e Roma Aeterna, que se mesclam por força da Pax Romana, e que foram estudadas de forma exaustiva pelo eminente investigador e fundador do museu, dando origem a uma importante obra científica e literária cujo centenário é comemorado nesta mostra expositiva.

 

Por entre “pedras que falam”, encontram-se vários testemunhos arqueológicos dos cultos e rituais praticados, desde tempos antigos e continuados até à atualidade através dos mecanismos de sedimentação próprios do fenómeno religioso, no atual território português: aras e inscrições votivas dedicadas a numinas tutelares e outras divindades; estátuas dedicadas ao culto imperial e dadas como oferendas aos deuses; mosaicos que contam a história de heróis deificados; objetos funerários que acompanhavam a viagem do morto para a outra vida.

Museu Nacional de Arqueologia

Exposições temporárias

Consulte a página do Museu Arqueologia

 

Contato

Telefone: + 351  213 620 000 | Fax 213 620 016 | e-mail | Site do Museu Arqueologia

 

Horário

3.ª feira a domingo: 10:00h-18:00h

Encerrado ao público à 2ª feira e nos feriados de 1 de janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de maio, 13 de junho (feriado municipal) e 25 de dezembro

 

Centro de Documentação (Biblioteca e Arquivo Histórico)

Horário

2ª a 6ª feira: 10.00h – 17.00h

Sábado: 10.00h – 17.00h no primeiro sábado de cada mês, entre outubro e junho | e-mail

 

Acessibilidades

Autocarros: 714, 727, 728, 729, 751 (Carris) 113, 149 (Vimeca)

Elétrico: 15E

Comboio: Linha de Cascais (Estação de Belém)

Barco: Estação Fluvial de Belém

Espaço expositivo acessível a pessoas com mobilidade reduzida. O piso superior não possui acesso a pessoas com mobilidade reduzida.

 

Localização

 


“Lugares para visitar em Lisboa?”, lembre-se dessa matéria e você terá a resposta do que fazer em Lisboa e que tipo de turismo Lisboa poderá proporcionar!

Faça o seu roteiro turístico para conhecer os principais pontos turísticos. Coloque o Museu Nacional de Arqueologia em sua lista e bom passeio!

 

? Gostaria de nos acrescentar alguma informação ou nos alertar quanto a algum possível erro?

Envie um e-mail a contato@o-tuga.com

Conteúdo | Imagem via Museu Nacional de Arqueologia

Loraine Eira
Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!

Comentários

comentários

Loraine Eira

Loraine Eira

Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!