Parque e Palácio de Monserrate – Sintra, Portugal

A quatro quilómetros do centro histórico de Sintra, situa-se o Parque de Monserrate, que integra exuberantes jardins e um palácio, testemunho ímpar dos ecletismos do século XIX, onde os motivos exóticos e vegetalistas da decoração interior se prolongam harmoniosamente no exterior. O relvado fronteiro ao palácio permite um descanso merecido, antes de prosseguir na descoberta de um dos mais ricos jardins botânicos portugueses.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Créditos PSML Emigus

O Parque de Monserrate foi arrendado, no fim do século XVIII, por Gerard de Visme, rico comerciante inglês, que aí construiu uma casa em estilo neo-gótico.

Em 1794, De Visme subarrendou Monserrate a William Beckford mas, em 1809, quando Lord Byron a visita e descreve no poema “Childe Harold’s Pilgrimage”, a casa, abandonada, já estava em ruínas.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Créditos PSML Emigus

Monserrate tornou-se, porém, num local de visita obrigatória de viajantes estrangeiros, sobretudo ingleses, descrito em inúmeros relatos de viagens e gravuras.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Créditos PSML EMIGUS

Um dos visitantes famosos foi Francis Cook, outro muito rico industrial inglês mais tarde agraciado pelo Rei D. Luís com o título de Visconde de Monserrate, que adquiriu a propriedade e iniciou, com o arquiteto James Knowles, a transformação do que restava da casa de De Visme.

Em 1866, o Palácio de Monserrate já estava concluído, num estilo que combina influências góticas, indianas e sugestões mouriscas. É, com o Palácio da Pena, um dos mais importantes exemplos da arquitetura Romântica em Portugal.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Corredor – Créditos PSML Emigus

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Torreão Central – Créditos PSML Emigus

Os jardins circundantes, de que se salienta o Jardim do México, o Roseiral e os Lagos Ornamentais, recentemente restaurados, receberam espécies vindas de todo o Mundo e foram organizados por áreas geográficas, refletindo as diversas origens das plantas e compondo cenários ao longo de caminhos, por entre ruínas, recantos, lagos e cascatas.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Créditos PSML EMIGUS

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Crédito GeraldLuckhurst

É assim, sobretudo graças à intervenção programática do paisagista William Stockdale, do botânico William Neville e do mestre jardineiro James Burt e, acima de tudo, ao espírito romântico de Francis Cook, que podemos hoje encontrar no Parque de Monserrate cenários contrastantes que, ao longo de caminhos sinuosos e em convívio com espécies espontâneas da região, como os medronheiros de porte arbóreo, os já muito raros azevinhos e os imponentes sobreiros, surgem ancestrais fetos arbóreos e araucárias, agaves e palmeiras que recriam um cenário do México, camélias, azáleas, rododendros e bambus, lembrando um jardim do Japão.

O Governo Português adquiriu a propriedade e o Palácio em 1949, tendo este monumento sido entregue à Parques de Sintra para gestão em 2000.

Parque e Palácio de Monserrate Sintra

Créditos PSML Emigus

Depois de uma profunda intervenção de reabilitação de coberturas e fachadas, e da instalação de novas redes de infraestruturas, o palácio reabriu no verão de 2010, após o que tem vindo a decorrer o restauro dos interiores, à vista dos visitantes.

Dependências como a Biblioteca, a Capela, a Sala de Jantar e as Cozinhas, foram já totalmente restauradas.

Localização

Mais informações

Site Parques de Sintra ou Facebook


“Lugares para visitar em Sintra?”, lembre-se dessa matéria e você terá a resposta do que fazer em Sintra e que tipo de turismo Sintra poderá proporcionar!

Faça o seu roteiro turístico para conhecer os principais pontos turísticos. Coloque o Parque e Palácio de Monserrate em sua lista e bom passeio!

? Gostaria de nos acrescentar alguma informação ou nos alertar quanto a algum possível erro?

Envie um e-mail a contato@o-tuga.com

Conteúdo / Imagem via Parques de Sintra, fotógrafos mencionados acima e acervo próprio.

Loraine Eira
CO-Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!

Comentários

comentários

Loraine Eira

Loraine Eira

CO-Fundadora do O-TUGA, é colecionadora de carimbos no passaporte e de fotografias. Se apaixonou por Dublin em seu intercâmbio em 2014 mas escolheu a terra dos tugas para criar raízes em 2015. Definitivamente, uma paulistana que resolveu deixar São Paulo para descobrir o mundo!!!